Seja Bem Vindo!

Eu não preciso de ti. Tu não precisas de mim. Mas, se tu me cativares, e se eu te cativar...Ambos precisaremos, um do outro. A gente só conhece bem as coisas que cativou, por isso tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas!

(Antoine de Saint-Exupéry).


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Relacionamentos...


Todo mundo almeja um relacionamento estável, um amor companheiro, amigo, amante.
Este é o ideal de qualquer um de nós, pois não nascemos para a solidão.
Daí a encontramos alguém com que passamos a nos relacionar...
No começo é tudo tão bom, é tempo de descobertas....e a gente adora tudo,
compreende tudo, afinal estamos descobrindo um ao outro.
Passado algum tempo, começamos a conviver também com os problemas e com
o dia-a-dia um do outro, daí entra tudo, família, filhos, trabalho, ansiedades,
enfim a vida de um se mistura com a do outro.
Tenho percebido que alguns casais, mesmo gostando muito um do outro, não têm paciência e nem sabedoria para driblar as dificuldades que começam a surgir.
Ninguém pode exigir do outro exclusividade nos sentimentos, na presença, na companhia.
Todos temos compromissos que estão além daquilo que sentimos um pelo outro,
por isso a compreensão, ao lado do amor, é um dos ingredientes mais importantes nos relacionamentos dos dias de hoje; principalmente para aqueles que já passaram por um casamento, saíram dele mas não desistiram de ser felizes.
O que precisamos é ser menos egocêntricos e mais pacientes.
O amor não dá ultimatos do tipo: “ou isto, ou eu”, quem dá ultimatos não ama o outro, ama só a si mesmo.
O amor não cobra posição de destaque, tipo “eu tenho que estar em primeiro lugar”, quem faz cobranças assim está acostumado a olhar só para o próprio umbigo...e fatalmente vai ficar sozinho, porque chega um momento no qual o outro vai ter que fazer a escolha e dependendo do sentimento envolvido, esta escolha pode não ser você!
Ninguém disse que relacionamentos seriam fáceis, mas muitas vezes somos nós mesmos quem os tornamos muito mais complicados do que deveriam ser!
Eu tenho pensando sobre isto e você?!

By: Mari

Um comentário:

Rodrigo Marcilio disse...

Heráclito dizia que a unica coisa eterna era a "mudança", e para Sidarta Gautama "O Buda" todas as coisas eram impermanentes, e com Laozi temos um fluxo um devir "natural" de todas as coisas. Relacionamentos, mudam, são transitórios e se transformam. Cabe sabermos que pessoas como o rio estão em constate fluxo e mudam, e consequetemente o seu relacionamentos com os outros. Portanto tudo o que podemos fazer é não ficarmos estáticos, esperando que relacionamentos não mudem... Não somos propietários e nem propiedades de ninguém, a quem pertence o rio ? O que acontece com o rio se represado ? Enfim temos de aceitar a mudança, e com ela também mudarmos... Bom e Mau... são apenas conceitos da dualidade humana, que criamos para compreedermos o mundo que habitamos... Quando aceitamos a correnteza do rio e deixamos que nos leve aonde desja, gastamos menso energia... relacionamentos dependem da vontade de dois... e se um não concorda consigo mesmo em muitas escolhas da vida... imaginem dois... relacionar-se é uma arte... uma verdadeira estratégia de guerra como Sun Tzu afirmaria... façamos o nosso melhor... mas não criemos expectativas de que o outro também o fará !!!

Namastê !

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails