Seja Bem Vindo!

Eu não preciso de ti. Tu não precisas de mim. Mas, se tu me cativares, e se eu te cativar...Ambos precisaremos, um do outro. A gente só conhece bem as coisas que cativou, por isso tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas!

(Antoine de Saint-Exupéry).


segunda-feira, 4 de julho de 2011

Não estranhe...


Não estranhe se não me ver passar...
Preciso seguir por outros caminhos.
Não estranhe se não sentir minha presença, ainda que discreta...
Preciso ir de vez...senão talvez, eu nunca vá!
Não estranhe a falta de notícias...
Os poucos sinais de que estou por ai...
As ausências prolongadas...
O peso indelével da voz que cala,
O texto não escrito...
A poesia inacabada!
Não estranhe nada, não estranhe tudo...
Eu preciso ir...e por um tempo não saber o que acontece...
E por um tempo não contar o que sucede aqui...em mim, na minha vida.
É difícil tomar a decisão de ir...
Quando o que se quer....é ficar, é estar...é ser.
Mas não posso, se fico sinto-me afundando em águas turvas e frias...
Estas águas tuas que envolveram, dando a falsa impressão de que eram quentes e cristalinas...
Já estive nestas águas por muito e muito tempo...
E fui afundando até o mais profundo lodo que vem de ti...falso lago de águas cristalinas!
Não estranhe quando perceber que o que sabe de mim...é o que todos sabem!
Não estranhe quando sentir que és para mim...apenas mais uma pessoa em meio a tantas outras...
Não estranhe ao perceber-se apenas mais um, depois de ter sido único... Não...não estranhe nada, pois o tempo levou tudo quanto um dia você conheceu...
Hoje nada mais lhe é familiar...nada pode lhe dar a sensação de pertencer...ou de ter pertencido...
O peso foi retirado dos meus ombros...por isto eu preciso ir, sem olhar para trás, sem medo, sem qualquer impedimento...
Deixo pelo caminho algumas marcas profundas...outras nem tanto.
Deixo também...os desenganos, as ilusões perdidas...os sonhos desfeitos...
Mas levo comigo tantas recordações maravilhosas, tantos sentimentos de felicidade, alegria, gratidão e amor.
E é revestida pela armadura destes sentimentos bons, que começo minha jornada...por isto...
Não estranhe se não me ver passar...
Não estranhe a minha ausência...
Preciso ir por um tempo...
Reconstruir a minha essência...
Para então voltar inteira...


(By: Mari)

5 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Mari, eis um texto com muita profundidade. Parece que tu puseste a alma neste post.
Um grande abraço. Tenha uma ótima semana.

Denise disse...

Muitas vezes sentimos o chamado, nem sempre encontramos a força para partir - às vezes, parir essa decisão dói mais do que tudo, mas, quando inevitável...que seja de luz o caminho!

Beijos, Mari!

Mari disse...

Oi Dilmar...
Bom dia!
É mais ou menos isto mesmo meu amigo!
Ótima semana pra você!
bjs

Mari disse...

Denise querida...
Sim minha amiga você disse tudo..assim é!
E então que seja iluminado o caminho!
Um beijo grande

JOE ANT disse...

"Primeiro estranha-se, depois entranha-se".
...
Este texto ficou profundamente entranhado em mim, quase a ponto de me voltar a sentir a necessidade de voltar aqui diariamente.
...
Acho que você também já estranhou a minha ausência. Disso peço muita desculpa.
Outros vícios têm- me levado para outros caminhos, não sei "se bons" ou "se maus"

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails